​ A Declaração Islâmica sobre Mudanças Climáticas Mostra a Verdadeira Face do Islâ

As metas e objetivos estabelecidos na Declaração sobre Mudanças Climáticas feita por líderes islâmicos criam um novo marco para a mudança climática, o mais ambicioso até agora.

Hoje, 18 de agosto, em Istambul, líderes islâmicos de 20 países publicaram uma Declaração sobre as Mudanças Climáticas que busca envolver 1,6 bilhões de muçulmanos de todo o mundo neste grande desafio do nosso tempo.

A sociedade civil global está satisfeita com a declaração da comunidade islâmica, que entendemos ser bastante poderosa, uma declaração que poderá causar uma virada, posto que desafia todos os líderes mundiais, e especialmente as nações produtoras de petróleo, a eliminar suas emissões de carbono, a deixar 2/3 das reservas de combustíveis fósseis no subsolo sem exploração e a apoiar uma transição justa para um futuro onde 100% da energia seja de fonte renovável. Tudo isso se apresenta como necessidade para o enfrentamento das mudanças climáticas, para a redução da pobreza e para que alcancemos o desenvolvimento sustentável a nível global.

Os objetivos diretos e metas quantitativas que são refletidas nesta declaração criam um novo marco para a ação climática, na verdade se trata da declaração mais ambiciosa sobre o clima feita internacionalmente até agora. Após o apelo do Papa à eliminação gradual dos combustíveis fósseis e após as ações de inúmeros grupos cristãos de descontinuidade de investimentos nesses combustíveis, agora são as comunidades islâmicas que buscam igualar ou até mesmo ir além destes esforços. Ambas as autoridades morais cristãs e islâmicas somam-se em uma mesma mensagem: a ação sobre as questões climáticas é necessária para a redução da pobreza e o desenvolvimento sustentável. Esta mensagem diz diretamente a todos os governos que não há desculpas para a não priorizar as ações de combate à mudança climática.

A Declaração fornece um argumento moral para os muçulmanos – e para as pessoas de todas as religiões do mundo – em favor da adoção urgente de medidas climáticas. De fato, o que a Declaração mostra é que, de acordo com a doutrina islâmica, não agir contra as mudanças climáticas é um pecado, e é a responsabilidade primária de todos os muçulmanos para proteger os processos da natureza. Diz, também, que Deus deu aos seres humanos a responsabilidade de agir como guardiões do equilíbrio nesta Terra, e sobre esta base serão julgados. Basicamente, isto significa que, aquele que não agir contra a mudança climática não é um muçulmano.

Chama a atenção o fato de todos os que participaram da elaboração da Declaração entendiam completamente o que está em jogo a nível político nas negociações climáticas, especialmente os desafios enfrentados pelos países árabes, que são ricos em petróleo, para apresentar sua posição frente nas negociações internacionais sobre o clima. Alguns dos participantes vinham justamente desses países. No entanto, nada disso fez com que as considerações políticas fossem o leitmotiv da Declaração, mas sim que deveria prevalecer a moralidade islâmica de cada indivíduo.

Hoje não é fácil inspirar as pessoas, sobretudo a comunidade muçulmana. Esta declaração mostrou a verdadeira face do Islã, e esta me parece é muito inspiradora.


Wael Hmaidan é libanês, diretor da Rede Internacional de Ação Climática ( CAN International). Siga-o no Twitter em @WaelWhmaidan

Conversa via #muslims4climate.

CAN International's Comunicado de Imprensa sobre a Declaração sobre as Mudanças Climáticas

This article is available in English and Spanish, press the Language menu at the top left corner.


Upcoming article sneak peek

What to Expect on Climate from Latin America's New Presidents?

Newsletter