BRICS

A China vai se tornar o novo parceiro da América Latina para a infraestrutura?

A reunião de cúpula dos países do grupo BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) foi realizada em Fortaleza (Brasil) em julho de 2014.

O presidente Xi Jinping aproveitou a viagem ao Brasil para visitar também a Argentina, Venezuela e Cuba. Este breve resumo examina os acordos assinados pela China com esses quatro países. Encontramos um foco claro em infraestrutura, energia e transporte nos 120 acordos que foram assinados no período de uma semana.

Os laços da China com a América Latina estão se tornando mais fortes: o comércio com a América Latina foi superior a US$ 261 bilhões em 2013; os investimentos na região aumentaram cerca de 20% do total de US$ 90 bilhões do investimento estrangeiro direto no ano passado. A China se tornou o maior parceiro comercial do Brasil, tendo o comércio entre os dois países alcançado US$ 83,3 bilhões em 2013, comparado com US$ 3,2 bilhões em 2002. As commodities foram o principal item das exportações brasileiras.

Pontos-chave:

● Os países dos BRICS anunciaram a criação de um novo banco de desenvolvimento com capital de US$ 50 bilhões, com sede emXangai. O banco tem a meta de atingir um capital de US$ 100 bilhões.

● O presidente Xi Jinping também propôs a criação de um novo fundo de infraestrutura para a América Latina com um capital de US$ 20 bilhões.

● Durante a vista do presidente Xi, o governo chinês também assinou 120 acordos de cooperação bilaterais.

A tabela a seguir analisa os elementos principais dos acordos assinados com o Brasil (54), Venezuela (38), Argentina (19) e Cuba (9).

Upcoming article sneak peek

What to Expect on Climate from Latin America's New Presidents?

Newsletter